E DURANTE O ISOLAMENTO?

A Real da Live

Colabore com a manutenção da Casa Preta. Dias 15, 22, 20/08 e 05/09, às 20h, tem live com artistas da Casa e parceiros. Escolha seu couvert:

Individual: R$ 12,00

Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Pague quanto quiser:

https://app.picpay.com/user/gordoneto

Fique em casa! E se quiser passear um pouco pelo universo artístico dos grupos, artistas e parceiros da Casa Preta, segue uma lista com links para espetáculos, shows, álbuns musicais que a gente disponibilizou gratuitamente aqui pra vocês:

Do Grupo Vilavox

No site do Vilavox, você pode assistir a todos os 9 espetáculos do repertório do grupo, ler nossas 5 revistas virtuais e ouvir nosso álbum musical “Trilhas do Vilavox. Mas, para facilitar, segue abaixo todo esse conteúdo do Vilavox, que desde 2009 ocupa a Casa Preta!

ÁLBUM MUSICAL – TRILHAS DO VILAVOX

Trilhas do Vilavox – Arraial e Vilavox – Produção Musical: Leonardo Bittencourt

1 – Não, Adão! (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Gordo Neto
Música: Jarbas Bittencourt
Voz: Geovana Costa
Coro: Geovana Costa e Marcia Lima
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Bruno Uzeda
Bateria e Percussão e Synths : Leonardo Bittencourt
Piano: Jélber Oliveira

2 – Que eu Ande (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Gordo Neto
Letra e música: Roberto Brito
Voz: Soiane Gomes
Coro: Geovana Costa, Géssica Lima, Gordo Neto e Roberto Brito
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Bruno Uzeda
Bateria: Leonardo Bittencourt
Percussão: Joker Guiguio, Héverton Didoné e Leonardo Bittencourt

3 – Vão das Vozes (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra e música: Jarbas Bittencourt
Coro: Fred Alvin, Geovana Costa, Gordo Neto, Géssica Lima, Isis Carla e Marcelo Jardim
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Bruno Uzeda
Bateria: Leonardo Bittencourt
Percussão: Héverton Didoné, Joker Guiguio e Leonardo Bittencourt
Teclados: Jélber Oliveira

4 – Hello My Brother (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Gordo Neto e Jarbas Bittencourt
Música: Jarbas Bittencourt
Voz: Andrea Martins
Coro: Geovana Costa, Gordo Neto, Leonardo Bittencourt e Marcia Lima
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Bruno Uzeda
Bateria: Leonardo Bittencourt
Piano e Teclados: Jélber Oliveira
Percussão: Leonardo Bittencourt

5 – Primeiro de Abril (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Gordo Neto e Jarbas Bittencourt /Música: Jarbas Bittencourt
Coro: Geovana Costa, Géssica Lima, Marcelo Jardim e Roberto Brito
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Leonardo Bittencourt
Teclados: Jélber Oliveira
Percussão: Joker Guiguio e Leonardo Bittencourt

6 – Operação Gaiola (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Gordo Neto e Jarbas Bittencourt
Música: Jarbas Bittencourt
Voz: Pedro Pondé
Coro: Fred Alvin, Géssica Lima, Leonardo Bittencourt e Roberto Brito
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Leonardo Bittencourt
Bateria: Leonardo Bittencourt

7 – Nome aos Bois II (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Gordo Neto e Jarbas Bittencourt
Música: Jarbas Bittencourt
Voz: Gordo Neto
Coro: Géssica Lima, Gordo Neto, Márcia Lima, Marcelo Jardim e Roberto Brito
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Leonardo Bittencourt
Bateria: Leonardo Bittencourt
Teclados: Jélber Oliveira

8 – Senhora (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra e música: Jarbas Bittencourt
Voz: Ísis Carla
Coro: Geovana Costa, Géssica Lima, Ísis Carla, Marcelo Jardim, Márcia Lima e Roberto Brito
Baixo: Gilmário Bispo
Guitarra: Bruno Uzeda
Bateria: Leonardo Bittencourt
Teclados: Jélber Oliveira
Percussão: Leonardo Bittencourt

9 – Canção de Cila (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra e Música: Gordo Neto
Voz: Márcia Lima
Percussão: Leonardo Bittencourt
Samplers: Leonardo Bittencourt

10 – Darandina (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Jarbas Bittencourt e Gordo Neto
Música: Jarbas Bittencourt
Voz: Joker Guiguio
Coro: Geovanna Costa, Gordo Neto, Joker Guiguio, Leonardo Bittencourt e Márcia Lima
Percussão: Joker Guiguio

11 – Casinha Rosa (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra e Música: Gordo Neto
Voz: Géssica Lima
Coro: Géssica Lima, Gordo Neto, Marcelo Jardim e Roberto Brito
Guitarra: Leonardo Bittencourt
Bateria: Leonardo Bittencourt
Percussão: Joker Guiguio

12 – Sapatinho Azulado (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra e Música: Gordo Neto
Coro: Geovanna Costa, Géssica Lima, Marcelo Jardim, Márcia Lima e Roberto Brito
Teclados: Jélber Oliveira
Percussão: Joker Guiguio e Leonardo Bittencourt
Guitarra: Leonardo Bittencourt

13 – Tudo é assim (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Música e Letra: Gordo Neto
Voz: Claudio Machado
Coro: Fred Alvin, Géssica Lima, Marcelo Jardim, bandolimGordo Neto e Roberto Brito
Baixo: Gilmário Bispo
Violão: Leonardo Bittencourt
Bandolim: Peu Souza
Bateria: Leonardo Bittencourt
Percussão: Joker Guiguio e Leonardo Bittencourt
Acordeon: Jélber Oliveira

14 – Todo mundo ou qualquer um (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra e Música: Jarbas Bittencourt
Coro: Fred Alvin, Géssica Lima, Gordo Neto, Isis Carla , Marcelo Jardim e Roberto Brito.
Baixo: Gilmário Bispo
Bateria: Leonardo Bittencourt
Teclados: Jélber Oliveira

15 – Árvore Genealógica (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Marcio Marciano
Música: Jarbas Bittencourt
Voz: Gordo Neto
Coro: Geovanna Costa, Marcelo Jardim e Roberto Brito.
Baixo: Gilmário Bispo
Bateria: Leonardo Bittencourt
Teclados Synths e Piano: Jélber Oliveira
Guitarra: Leonardo Bittencourt

16 – Passaredo Passarinholas (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Música e Letra: Gordo Neto
Voz: Gordo Neto
Coro: Geovanna Costa, Géssica Lima e Roberto Brito
Baixo: Gilmário Bispo
Bateria: Leonardo Bittencourt
Guitarra: Leonardo Bittencourt
Percussão: Joker Guiguio e Leonardo Bittencourt

17 – Panorama (Clique aqui se quiser escutar somente esta faixa)
Letra: Marcio Marciano
Música: Roberto Brito
Voz: Marcia Lima
Coro: Fred Alvin, Géssica Lima, Geovanna Costa, Gordo Neto, Ísis Carla, Joker Guiguio, Marcelo Jardim, Márcia Lima, Roberto Brito e Soiane Gomes.
Teclados: Roberto Brito

ESPETÁCULOS DO VILAVOX

No site do grupo Vilavox, vc encontra mais vídeos, com depoimentos da equipe de criação dos espetáculos.

TRILHAS DO VILA

Primeiro espetáculo do grupo Vilavox, Trilhas do Vila marca o nascimento do grupo, que então se configurava como um coro performático. A montagem fez um resgate das várias trilhas musicais do Teatro Vila Velha, em seus diversos espetáculos ao longo de sua história. O elenco foi montado a partir de uma audição e construído um corpo de atores-cantores.
Explorando recursos como rapel, pernas de pau e outros elementos de extrema teatralidade, o grupo foi construindo, a partir desse espetáculo, sua de identidade. A montagem deu origem a um CD homônimo, que contou com a direção musical de Jarbas Bittencourt e reuniu músicos que tiveram trajetória afinada com o Teatro Vila Velha.

ALMANAQUE DA LUA

Com texto e direção de Gordo Neto, Almanaque da Lua faz um delicioso passeio em torno das histórias, lendas e causos torno da Lua. Criado a partir de uma pesquisa em almanaques e periódicos que traziam curiosidades sobre o satélite, a montagem mergulhou no cancioneiro popular brasileiro, trazendo uma musicalidade marcante e reafirmando a parceria que seguiu para toda trajetória do grupo: a direção musical de Jarbas Bittencourt. Almanaque da Lua marcou a aproximação do grupo como o teatro, que se tornou mais crescente nas montagens posteriores.

PRIMEIRO DE ABRIL

Primeiro de Abril traz à tona alguns aspectos da história da ditadura militar no Brasil. Privilegiando a “história como atriz principal”, a peça pontua acontecimentos marcantes de todo o processo que culminou com o golpe, bem como suas conseqüências, passando pelos atos institucionais, pela violência da tortura e pelos posteriores golpes “irmãos” em outros paises da América Latina. Mesmo com forte didatismo, a peça propõe uma experiência estética singular, pois a banda ao vivo, a música original de Jarbas Bittencourt, os 15 atores em cena, um cenário que traz um cilindro de água com 2 metros de altura e as coreografias, assinadas por Lauana Vilaronga, fazem do espetáculo um musical diferente e politizado.

CANTEIROS DE ROSA

O universo, os personagens e a palavra rica de Guimarães Rosa ocupam a cena com os espetáculos Canteiros de Rosa – uma homenagem a Guimarães, que percorre o universo autor mineiro através da encenação de contos do livro Primeiras Histórias (Sôroco, sua mãe e sua filha, Darandina e A menina de lá). A peça contou com direção de Jacyan Castilho e texto de Gordo Neto.
A obra de Guimarães Rosa prima por encenar os dramas demasiadamente humanos: loucura, solidão, amor, morte, vida, família, pecado, culpa, alegria, saudade, tempo, misticismo, religião, medo, ódio, devastação, marginalidade. A montagem coloca em cena a musicalidade natural da linguagem do escritor, em um cenário ousado, elaborado com andaimes de construção. Canteiros de obras ocupam o espaço, onde ocorre toda movimentação cênica. Canteiros de trabalho onde a palavra de Guimarães é experimentada na cena, resgatando elementos de sua literatura e de seu estilo: são realçados os elementos musicais de sua linguagem, o ritmo, as quebras, os silêncios.

LABIRINTOS

Numa releitura dos mitos gregos, a montagem Labirintos contou com a direção de Patrick Campell, que propôs um mergulho nas histórias de Teseu, Minotauro e Pasifae. A montagem trouxe outra marca do grupo que é a dramaturgia escrita coletivamente, compreendendo como texto não somente a palavra, mas toda textura de elementos que compõem a cena (musicalidade, cenografia, sentidos, figurinos, iluminação e a opcão pela exploração de elementos de espetacularidade). Movimento, canto, técnicas circenses, vôos, sonoridades ajudaram a contar essas histórias, que teve temporada única em 2008.
Os três mitos escolhidos têm em comum a relação direta com a construção do labirinto no qual está encarcerado a figura do Minotauro, metade homem, metade touro. As histórias se encontram nesse espaço arquetípico, que remonta o desconhecido, o inconsciente e tantas relações a serem criadas a partir da mitologia. Mais do que contar as histórias, o espetáculo se propõe a recriar esse labirinto, utilizando o espaço do Passeio Público e do próprio teatro Vila Velha. O público, mais do que um espectador passivo, será uma peça desse próprio ambiente cenográfico. Ao conhecer os segredos e facetas dos personagens, também será possível desvendar as faces pouco vistas do teatro, tudo aquilo que não é palco e que nem sempre está sob os holofotes.

O SEGREDO DA AERCA DE TRANCOSO

Inspirado no universo dos contos orais brasileiros, o espetáculo utiliza técnicas de perna de pau, máscaras e músicas originais para contar a história de um menino encarregado de levar uma arca de madeira até um local muito distante. Logo ele descobre que a tal arca, espécie de baú, parece ter o poder de transformar a vida de todos os que tentam saber o que ela contém. Numa sucessão de surpresas, mulheres e homens com toda sorte de intenções, animais falantes e criaturas fantásticas surgem no meio do caminho do menino tentando tomar posse da arca – o que demonstra ser aquele estranho objeto muito mais poderoso do que se possa imaginar.

O CASTELO DA TORRE

Resultado de uma longa pesquisa sobre a história da família Garcia D´Ávila, grande latifundiária desde os tempos da colônia que atravessou a história da Bahia e do Brasil com grande concentração de poder econômico, político e militar e construiu a maior edificação colonial, ainda hoje com suas ruínas preservadas na Praia do Forte, a peça, com texto desenvolvido pelo grupo Vilavox em processo colaborativo e redação final do dramaturgo e diretor Marcio Marciano, prioriza dar voz aos negros e índios, buscando mostrar uma visão dos oprimidos durante o processo histórico da formação de nossa sociedade.
Paredes, portas, janelas, escadas e cômodos de uma casa contam a história, assim como a voz dos oprimidos e mesmo cenas em que aparecem alguns dos personagens da família Garcia D´Ávila formam uma composição cênica bastante híbrida, com passagens profundamente dramáticas, grandes coros, cenas individuais, em duplas,cenas cômicas e solos musicais.

PASSAREDO PASSARINHOLAS

Inspirado nas narrativas populares dos griots, “Passaredo, Passarinholas” é um espetáculo de contação de histórias com direção de Diana Ramos, que utiliza elementos do universo infantil resinificando os brinquedos populares para dar teatralidade aos contos. Explica a origem das coisas segundo a ancestralidade das tradições orais. Passaredo reúne três contos que tem histórias de pássaros como mote principal. O primeiro, de domínio público africano, “O Pássaro-escrivão” conta do surgimento do primeiro contador de histórias e de como as histórias ouvidas tornaram-se histórias escritas. O segundo “O Roubo do Fogo”, recolhido da oralidade indígena por Daniel Munduruku relata como os homens antigamente roubaram o fogo dos urubus e tem como herói o menor de todos os guerreiros, por último “A Menina e o Pássaro Encantado” de Rubem Alves narra a amizade entre uma menina e seu pássaro revelando a importância do respeito e da liberdade.

MEDEIA NEGRA

Este espetáculo ainda está em cartaz. Abaixo, um pequeno trecho.

O espetáculo solo traz à cena a invisibilidade e exclusão da mulher negra na estrutura social, que privilegia e mantém o poder em determinada classe e gênero. A peça aborda questões fundamentais do universo feminino como maternidade, solidão, identidade, amor, racismo, identidade de gênero, aborto e religião. A plateia, a partir da sua disposição espacial, é colocada frente a frente para se ver diante de questões como gênero, raça e classe. Ao longo da encenação a personagem compartilha suas reflexões sobre passado, presente e futuro junto ao público.  O mesmo mito contado agora a partir de um olhar feminino e negro, carregado de um canto forte e rasgado, inspirado no jazz, blues, hip hop e acalantos africanos que propõem esteticamente um caminho atemporal para o grito de Medeia.

TRILHAS DO VILAVOX

A celebração do encontro da música com o teatro, resgatando canções do repertório dos espetáculos do Vilavox, compostas por Jarbas Bittencourt, Gordo Neto, Roberto Brito dos Santos e Marcio Marciano. Um show multimídia, que mistura “memória, sangue, suor e teimosia”, com direção musical de Leonardo Bittencourt, convidados e ex integrantes do grupo – entre músicos e cantores – cantam e tocam ao vivo, acompanhados por bases eletrônicas, ambientados por imagens em vídeo com cenografia de Ana Kalil e figurino de Rino Carvalho, que resgatam elementos dos espetáculos do repertório do grupo. O show passeia pelas memórias musicais do Vilavox e desemboca no Álbum Trilhas do Vilavox.

REVISTAS DIGITAIS VOX DA CENA

No site do grupo Vilavox, vc encontra todas as revistas Vox da Cena podem ser lidas “como livros”. Veja abaixo os temas abordados em cada uma delas, e boa leitura!

  • Revista Vox da Cena #1 – Musica e Musicalidade no Espetáculo Teatral
  • Revista Vox da Cena #2 – Teatro de Grupo – Espaço Público, Rua, Modos de Produção e Criação
  • Revista Vox da Cena #3 – Teatro de Grupo da Bahia
  • Revista Vox da Cena #4 – Grupo Vilavox 15 Anos
  • Revista Vox da Cena #5 – Medeia Negra
  • Revista Vox da Cena #6, – Teatro, Música e Voz. Diferentemente das revistas anteriores, não foi publicada em papel, mas seu texto também pode ser lido no site do grupo.
  • Programa do espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso/Formato Revista

Do Aldeia Coletivo

ESPETÁCULOS DO ALDEIA COLETIVO

Kanzuá, Nossa Casa

Kanzuá, Nossa Casa

Ybytu-Emi, É Show na Aldeia!

Ybytu-Emi, É Show na Aldeia!

Ybytu-Emi, Nzinga

Ybytu-Emi, Nzinga

Do Caboclo de Cobre

Pensada Violenta
Nação


Redução da Favela

Bicho Solto
Sim Sim, Não Não
Brasileiro
Bala
Tambor

De Mayale

Aprender
Mais em https://www.youtube.com/channel/UCczC2hMYcYhqdQWogTlRsbg

De Issa

Anunciação
Mais em:

De artistas parceiros

Em uma cidade destruída por um bombardeio, o exército vencedor vem tomar posse do território, mas para sua surpresa descobre que há sobreviventes: um grupo de crianças, órfãs de guerra, entrincheirou-se em um casarão em ruínas, decidido a resistir por seu país, sua cultura, suas memórias.
O espetáculo é resultado da Oficina de Teatro de Rua realizada através da parceria entre o Movimento Nosso Bairro é Dois de Julho, Colégio Estadual Ypiranga, Casa Preta, Grupo Vilavox e Articulação do Centro Antigo de Salvador, com apoio financeiro do Ministério Público do Estado da Bahia.

MODUPÉ PRODUTORA

O CASO DE ESTER (2012, 19MIN, FIC)
Roteiro e Direção: Susan Kalik e Thiago Gomes.
Caso de Ester trará à tona a vida urbana soteropolitana, numa trama que tem por base os gêneros da tragicomédia e do romance. Marcos é um quarentão, aspirante a escritor que se apaixona por Ester, uma bela jovem que vive sob as rédeas de seu padrasto; personagens que bem poderiam ser nossos vizinhos de apartamento, vivendo uma história de proporções desconcertantes.

Publicado por casapretaespacodecultura

Espaço Cultural Alternativo em Salvador, BA.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: